quinta-feira, 26 de julho de 2012

5 maneiras de fazer artesanato com jornal

Os jornais são itens que possuem sua funcionalidade original por um período de tempo muito curto. Eles são atuais por apenas um dia e depois são descartados. No entanto, esse papel pode ser usado como matéria-prima para diferentes tipos de artesanatos.


Descanso de copo ou panela
A maior parte dos artesanatos feitos com jornal se iniciam com o mesmo preparo, fazer canudos de papel. O grande diferencial é o tamanho deles, que irá variar de acordo com o resultado desejado.
Para fazer o descanso de copo, basta fazer o canudo e depois enrolá-lo, até que chegue à circunferência ideal suportar o copo. Para o descanso de panela, a técnica é a mesma, apenas o tamanho que precisa ser diferente, de acordo com a necessidade de quem for usar.
Os canudos podem ser colados com cola branca e o ideal é que, para finalizar, o material seja impermeabilizado. Isso pode ser feito com uma mão de cola branca ou verniz.
Cesta
As cestas feitas de jornal ficam parecidas com as de vime, inclusive em sua praticidade e utilidade. Para fazer uma dessas o ideal é fazer canudos do tamanho de uma folha de jornal dividida em quatro partes.
Com os canudos em mãos é preciso começar a trançar. Separe oito canudos. Os primeiros quatro devem ser dispostos lado a lado, com distância média de dois centímetros. Os outros quatro devem ser “costurados” entre os já existentes. Isso deve ser feito com todos os canudos, até que a cesta chegue ao tamanho desejado.
Da mesma forma que a dica anterior, é ideal usar o verniz para impermeabilizá-la. Depois de pronta atente para que ela não tenha contato com líquidos, para não estragar.
Chaveiros
Os mesmos canudos usados na primeira servem para fazer chaveiros. As bolinhas, feitas com os canudos de jornal podem ser unidas, formando diversas peças. Uma dica é a flor, que precisa seis rolinhos pequenos e um maior, que será o central, onde o restante será fixado.
Também é possível fazer um ursinho, com dois rolos médios e seis bem pequenos, que formarão as orelhas, braços e pernas. Impermeabilize o artesanato e prenda nele uma fita e a argola de chaveiro. Uma boa opção para deixar as peças ainda mais bonitas é pintá-las.
Máscaras
Essa dica é ideal para as crianças, que podem soltar a criatividade a ainda se divertir muito. Para fazer a máscara é necessário; jornal, tesoura, cola, bexiga e tinta de muitas cores.
O primeiro passo é encher a bexiga, do tamanho próximo ao do rosto da pessoa que irá usá-la. Depois, corte o jornal em quadrados e cole-o na bexiga, usando a cola branca. Repita isso por, pelo menos, cinco vezes. Será esse cuidado que deixará a máscara mais resistente.
Depois que a cola secar, estoure a bexiga, corte o espaço para os olhos e pinte de acordo com o tema escolhido.
Porta-retrato
O porta-retrato feito de jornal deve ser feito para pendurar na parede. Por isso, volte aos canudos e separe parte deles para fazer as rodinhas de jornal e outra parte para usar como o molde da foto e como a alça para fixá-lo na parede.
Para esse artesanato é necessário ter uma estrutura, que pode ser papelão, onde a foto será colada. É importante que ele esteja pintado, de acordo com as cores escolhidas para pintar as peças feitas de jornal.
Cole a foto no papelão, use um dos canudos de jornal para emoldurar a foto e depois faça os enfeitas com as rodinhas coloridas.
Essas são apenas algumas dicas, mas o jornal é um material útil para uma infinidade de coisas, basta deixar a criatividade rolar.

FONTE: http://www.ciclovivo.com.br/noticia.php/3251/5__maneiras_de_fazer_artesanato_com_jornal/

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Integrantes do Profissão Catador irão recolher materiais recicláveis durante a 32ª Coxilha Nativista

Catadores das duas associações atendidas pelo projeto “Profissão catador: entre o viver e o sobreviver do lixo” estarão recolhendo materiais recicláveis descartados durante as quatro noites da 32ª Coxilha Nativista, no Ginásio Municipal de Cruz Alta. A ação tem como objetivo envolver os catadores e reforçar a importância da coleta seletiva na cidade, e será em parceria com o Núcleo de Planejamento Urbano e Ambiental da Prefeitura. O caminhão da Coleta Seletiva estará nas imediações do Ginásio dando suporte aos catadores.
O Profissão Catador é mantido pela Universidade de Cruz Alta, com patrocínio da Petrobras e apoio da Prefeitura.

Vasinhos de lâmpadas

Estes lindos vasinhos decorativos são feitos de lâmpadas queimadas, além de fáceis de fazer, o que iria para o lixo pode ser aproveitado de uma maneira muito original. O planeta agradece!







Você vai precisar:
Cordão encerado ou arame
Lâmpada queimada
Tesoura
Faca de ponta



Como fazer:

Pegue a lâmpada queimada e faça um furo na base de alumínio com uma faca de ponta.
Corte e retire a base fora, deixando apenas o alumínio lateral.
Com auxílio da faca e da tesoura, remova os filamentos do miolo, cuidadosamente, para que a lâmpada não se quebre.




Após retirar todo o miolo, corte as rebarbas do esperal e envolva-o com arame ou cordão para pendurar.
Coloque água e sua flor preferida e pendure onde quiser!




Fonte: daniupmakeup.blogspot.com.br


quarta-feira, 18 de julho de 2012

Curiosidades sobre Reciclagem


Papel
Se 1 milhão de pessoas usarem o verso do papel para escrever e desenhar, a cada mês será preservada uma área de floresta equivalente a 18 campos de futebol.

Descarga
Quando você aciona a descarga para se livrar de uma bituca de cigarro, 12 litros de água tratada descem pelo ralo. Se 1 milhão de pessoas perdessem esse hábito, seriam economizados 360 milhões de litros de água. Esse volume equivale à água que cai nas cataratas do Iguaçú a cada 4 minutos.

Pilhas e Baterias
As 800 milhões de baterias e pilhas vendidas todo ano no Brasil contém metais pesados tóxicos, que podem contaminar o solo e a água. Em contato com seres humanos, atacam o cérebro, os rins e os pulmões. Quando for descarta-las, procure um posto de coleta especial.

Goteiras
Os médicos recomendam que você beba pelo menos 2 litros de água por dia. Uma única goteira pode desperdiçar 150 litros diários, ou seja, água suficiente para matar a sua sede por mais de 2 meses.

Reciclagem de lixo
A reciclagem de uma única latinha de alumínio economiza energia suficiente para manter um aparelho de TV ligado durante 3 horas.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

terça-feira, 10 de julho de 2012

Decore e personalize molduras com rolinhos de papelão


Reciclando rolinhos, é possível criar diversas decorações, assim como estas flores coloridas montadas no porta retrato. Separe os rolinhos e decore e personalize molduras e o que mais desejar.

Materiais utilizados na confecção do porta retrato decorado


- Pincéis e tintas acrílicas
- Tubos de papelão
- Tesoura
- Moldura (larga)
- Cola branca
- Prato de papel para colocar a cola

Como fazer: Comece pintando os tubos e deixe-os secar. Achate-os e corte-os na largura desejada, o modelo tem aproximadamente 0,5 cm. Remova o vidro e qualquer apoio da armação. Pinte e dê o acabamento que desejar à moldura (se necessário).

Decore e Personalize Molduras com Rolinhos de Papelão


Coloque a cola branca no prato de papel e disponha as pétalas sobre a moldura de forma harmoniosa, do jeito que preferir. Remova uma pétala de cada vez, molhe na cola e fixe no local planejado pressionando. Deixe secar.
Decore e Personalize Molduras com Rolinhos de Papelão


Essa ideia pode ser aplicada em cartões, embalagens para presente, e outras peças decorando e mostrando como a reciclagem pode e deve ser praticada para tornar tudo mais bonito e ecológico!


Fonte:www.passoapasso.reciclaedecora.com

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Uma história de dignidade

A exemplo da história do catador Tião, separando os seus materias recicláveis para a Coleta Seletiva Solidária do município, você estará colaborando para que os Catadores de Cruz Alta também tenham suas histórias de dignidade para compartilhar!




terça-feira, 3 de julho de 2012

Projeto Profissão Catador: Entre o viver e o sobreviver do lixo

 


Nos últimos anos cresceu o trabalho de coleta e venda ou troca de materiais recicláveis como uma forma de obter renda por catadores que atuam informalmente no processo de catação e seleção e são responsáveis por grande parte da coleta de lixo gerado nas cidades. Trata-se de trabalhadores empobrecidos que encontram nesta atividade autônoma uma possibilidade de geração de renda. Em geral, os materiais coletados são: papel, papelão, latinhas de alumínio e plásticos.

A trajetória de trabalho da Fundação Universidade de Cruz Alta com os catadores de materiais recicláveis tem início em 2006 a partir da extensão universitária com o projeto de Auto-Gestão para Geração de Trabalho e Renda com Catadores de Materiais Recicláveis – AGETREC, financiado pelo CNPq. Este teve como objetivo principal construir coletivamente alternativas para geração de trabalho e renda e melhoria das condições de vida.

A Fundação Universidade de Cruz Alta, mantenedora da Universidade de Cruz Alta, é uma instituição de direito privado e de caráter comunitário. Na estatal, e em consonância com sua condição de Universidade Comunitária, a UNICRUZ através de sua mantenedora busca continuamente através da extensão universitária a articulação com a comunidade regional, no sentido de contemplar os mútuos interesses.

Em novembro de 2006 foi inaugurada a primeira associação  - ACCA ( Associação de Catadores de Cruz Alta), local de coleta, separação, armazenamento e comercialização de materiais recicláveis no Bairro dos Funcionários. Em 2009 o Instituto VONPAR através do edital da rede de parcerias sociais do Estado do Rio Grande do Sul, disponibilizou recursos para alguns equipamentos necessários para a atividade. Ainda no mesmo ano, foi inaugurada a segunda associação – ARCA (Associação de Recicladores de Cruz Alta), Bairro Acelino Flores construído com recursos pleiteados pelo poder público municipal. A UNICRUZ auxiliou na formação do grupo, na elaboração da metodologia de trabalho e controle financeiro. Em dezembro de 2009 foi aprovado outro projeto pelo CNPq – AFOSECA (Alternativas de Fortalecimento para a Organização Social e Econômicas dos Catadores de Cruz Alta) com vistas a melhorar as condições de vida dos catadores visando à geração de trabalho e renda.

No primeiro semestre de 2010 se aprovou o segundo projeto através da rede de parceria social do Estado do Rio Grande do Sul – Reciclar para transformar: Possibilidades de melhoria na qualidade de vida dos associados da ACCA.

Todo o trabalho culminou em 2010 com a aprovação do projeto Profissão Catador: Entre o viver e o sobreviver do lixo em edital do Programa Desenvolvimento e Cidadania da Petrobras com aporte significativo de recursos para fortalecer o trabalho nas duas associações existentes, criar mais duas associações no município e uma central regional de comercialização de resíduos.

O projeto constituiu-se numa oportunidade de implementar uma tecnologia social para acompanhamento da organização dos catadores no município de Cruz Alta/RS através da extensão universitária. Desde a aprovação do primeiro projeto, a Unicruz vem mantendo ações voltadas a grupos de catadores, sendo que o início desse processo organizativo foi marcado pela apresentação da própria situação por parte dos catadores, inconformados com sua atual situação de exploração e discriminação. A comunidade assinala, nesses espaços, suas expectativas de modificação da situação, através do interesse de construir formas de trabalho coletivo e iniciando um processo de discussão sobre a consolidação das associações, permitindo viabilizar empreendimentos solidários para geração de renda.

Concomitantemente a realização dos projetos, surge a oportunidade de implantar a Coleta Seletiva na Universidade de Cruz Alta – o ICS, com o objetivo de praticar ações para realização da coleta seletiva no campus universitário e destinar os resíduos recicláveis descartados aos grupos de catadores organizados no município de Cruz Alta.

O poder público municipal é parceiro em todos os projetos para a organização dos catadores e implemento ou em todas as secretarias municipais a coleta seletiva solidária e incentiva a educação ambiental junto a população para a separação dos resíduos como requisito inicial pra a preparação da institucionalização da coleta seletiva.

Contribuindo para que a coleta seletiva seja um processo intrínseco de educação e não extrínseco por imposição.