quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Cinco Maneiras de Reaproveitar o que Viraria Lixo

AROMATIZANTE DE AMBIENTE
Quer ficar com a casa perfumada sem gastar 1 centavo? Jogue no fogo cascas secas de frutas cítricas, como limão e laranja.


ENFEITE BRILHANTE
As luzes decorativas de Natal não precisam mofar na caixa o resto do ano. Envolva uma garrafa de vidro com elas, começando pelo topo, e coloque na estante ou na mesinha de centro da sala.



LEMBRANÇA DE ANIVERSÁRIO COMESTÍVEL
Guarde as latinhas usadas de milho, ervilha e creme de leite durante o mês. Lave e seque bem. Unte o interior de cada uma delas com manteiga e despeje metade da massa de bolo de sua preferência. Pra tirar as bolhas de ar, bata o fundo do recipiente com jeitinho na bancada. Leve ao forno normalmente e escolha um papel de presente colorido para encapar o lado de fora.




JOGO AMERICANO DE ESPETINHOS
Que tal reaproveitar os espetinhos? Limpe 30 deles e deixe secar bem. Enfileire-os e prenda as extremidades com um barbante de sua cor favorita, fazendo um zigue-zague.




POTES E CESTOS FEITOS COM REVISTA
Separe folhas de uma revista velha e faça canudinhos. Enrole o primeiro canudinho como se fosse um caracol, apertando o máximo possível, para servir de base. Em torno dele, cole os outros canudinhos, deixando sempre um pedaço sobrando na parte de cima. Pare quando achar que o tamanho do pote está legal. Cubra a peça inteira com cola diluída em água.





Sabão Ecológico Caseiro




INGREDIENTES

·         2 litros de óleo de cozinha usado
·         800 ml de água quente
·         80 ml de amaciante de roupa
·         400 g de soda cáustica em escamas

MODO DE PREPARO

Primeiro, coe o óleo para retirar todos os restos de fritura. Com o máximo de cuidado, despeje a soda cáustica em um balde, usando luvas e máscara para não inalar o produto. A seguir, acrescente a água quente e mexa até a mistura se dissolver completamente. Aos poucos, junte o óleo, sem parar de mexer, e, depois, o amaciante. Por fim, vire o líquido em uma forma, espere endurecer e corte em pequenos tabletes. Use após dez dias.


FONTE: FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA (UNICEF).

QUASE TUDO SE RECICLA!

Saiba como dar um fim ecológico a pilhas, baterias, lâmpadas e outros materiais depois que eles perdem a sua utilidade. 



EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS
DESCARTE COMUM 
Na lixeira mais próxima, gerando toneladas de lixo tóxico, já que eles contem metais pesados.

DESCARTE ECOLÓGICO 
Doar é uma ótima opção. Procure ONGs que aceitam computadores que recolhem e doam o que pode ser reaproveitado. E várias operadoras de celular reciclam aparelhos usados.


PILHAS E BATERIAS 



DESCARTE COMUM 
Na lixeira mais próxima, poluindo o meio ambiente com ácidos e materiais pesados que, juntos, se tornam ainda mais perigosos. 

DESCARTE ECOLÓGICO 
Confira na embalagem a destinação adequada do material após o vencimento de seu prazo de validade. E saiba: os fabricantes são obrigados a fornecer locais apropriados para seu recolhimento após o uso. 


LÂMPADAS FLUORESCENTES 



DESCARTE COMUM 
Na lixeira mais próxima, contaminado o solo, lagos, rios e mares com mercúrio.

DESCARTE ECOLÓGICO 
Vale pesquisar as empresas que possuem tecnologia para descontaminar e reciclar o produto.


ÓLEO DE COZINHA 



DESCARTE COMUM 
Vai para o ralo da pia, contaminando até 20 mil litros de água para cada 1 de óleo. 

DESCARTE ECOLÓGICO 
Se você não tiver tempo para fazer sabão ecológico caseiro, vá juntando o óleo usado em um recipiente e, depois, doe o material para entidades que reciclem. 



Esses deixam a gente na dúvida! 

Dói o coração, mas os materiais abaixo devem ser jogados no lixo orgânico mesmo, porque não dá para reciclar: 


· Fotografias. 

· Fitas e etiquetas adesivas. 

· Papel-carbono. 

· Papel encerado ou plastificado. 

· Papel de fax. 

· Papel vegetal. 

· Embalagens metalizadas de biscoitos e salgadinhos. 

· Plásticos usados na fabricação de telefones, computadores e eletrodomésticos. 

· Papel celofane. 


FONTE: FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA (UNICEF)

Contêineres perto de serem instalados

Demonstração do recolhimento

Em reunião hoje pela manhã dia 29 de fevereiro com o Projeto Profissão Catador, a Arquiteta Bárbara Vieira Nogueira, do Núcleo de Planejamento Urbano e Ambiental da Prefeitura de Cruz Alta, relatou como será feito o recolhimento nos contêineres que serão instalados no âmbito central do município. Segundo Bárbara, o processo de licitação da empresa que fará a manutenção e limpeza dos dispositivos já está em fase final, sendo que em 30 dias os contêineres já serão instalados. Outra licitação também está tramitando, a qual refere-se ao recolhimento do material reciclável que será depositado pela população nos contêineres amarelos e levados até as associações de catadores do município. As ações visam uma implantação gradual da coleta seletiva no município além do beneficiamento ambiental e econômico para as famílias que dependem do lixo como sustento. Está sendo preparada uma campanha para o uso dos contêineres juntamente com ações de conscientização da população.


Equipe do Profissão Catador com a Arq. Bárbara

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Produção de lixo cresce seis vezes mais do que população


Divulgado pela Abrelpe, o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, referente a 2011, apontou que a produção de lixo no país cresceu seis vezes mais do que a população. E mais: a quantidade de resíduos com destinação inadequada aumentou quase dois milhões de toneladas, em relação a 2010.

Produzido anualmente pela Abrelpe - Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil referente ao ano de 2011 não trouxe boas notícias aos brasileiros: o estudo mostrou que, no ano em que foi criada a PNRS - Política Nacional de Resíduos Sólidos, a produção e destinação final do lixo brasileiro sofreu retrocessos.

Segundo a pesquisa, o volume de RSU - Resíduos Sólidos Urbanos gerado em 2011 pela população é 6,8% superior ao registrado pelo Panorama em 2010. Foram quase 61 milhões de toneladas de lixo produzidos nos últimos doze meses e o aumento populacional no país não é desculpa para esse crescimento: o estudo mostrou que a geração de resíduos aumentou seis vezes mais do que a população em 2010, o que significa que, no último ano, cada brasileiro produziu, sozinho, uma média de 378 kg de lixo.

E as más notícias não param por aí: o Panorama concluiu, ainda, que a quantidade de RSU com destinação inadequada aumentou quase dois milhões de toneladas, com relação a 2010: foram 23 milhões de toneladas encaminhadas a lixões e aterros controlados - que, por não possuírem mecanismos adequados de disposição e armazenamento do lixo, contaminam o solo e a água - contra 21,7 milhões, em 2010.

A região que apresenta o pior índice de destinação inadequada é a centro-oeste, que encaminha mais de 71% do lixo que produz para lixões e aterros controlados. Em seguida aparece:
- Nordeste, com 66%;
- Norte, com 65%;
- Sul, com 30,3% e
- Sudeste, com 28%3, onde situa-se o Estado com menor percentual de destinação incorreta de lixo: São Paulo, que é, ainda, o que mais produz RSU no Brasil: são mais de 55 mil toneladas por dia. O Rio de Janeiro, que ocupa a segunda posição do ranking, produz cerca de 20 mil toneladas diárias de lixo.

NEM TUDO ESTÁ PERDIDO Apesar das más notícias, o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil de 2011 também registrou alguns resultados positivos:
- o volume de lixo coletado pelos serviços públicos de limpeza do país cresceu 7,7%, com relação a 2010, e
- a quantidade de iniciativas de coleta seletiva também aumentou.

Atualmente, 57,6% dos municípios brasileiros possuem projetos de coleta seletiva, embora os percentuais regionais ainda sejam bastante desiguais: cerca de 80% das cidades do Sudeste possuem tais iniciativas, contra menos de 30%, no centro-oeste.